Conheça a Canoa Quebrada

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

A povoação de Canoa Quebrada nasceu a partir do pequeno povoado de Esteves. Descoberta na década de 1960 por cineastas franceses do movimento em “Nouvelle Vague”, a povoação sofreu um choque de culturas, que resultou num sentimento de liberdade que ali impera até hoje.[2]

Reza a tradição local que, de dia, os franceses trabalhavam duro e, à noite, se entregavam a diversão. Por essa razão, uma lua e uma estrela, esculpidas nas falésias, tornaram-se o símbolo do local. Uma outra versão dessa tradição local narra que, na equipe de filmagem, existia um marroquino, de crença islâmica, que sentindo remorsos pelas continuadas farras noturnas, desejava o perdão de Alá. Para se redimir da culpa, mandou esculpir, nas falésias, a lua e a estrela, hoje ícones locais.

A povoação adquiriu fama ao ser descoberta, na década de 1970, pelos “hippies”, que ali encontraram um lugar remoto,com grande belezas habitado apenas por uma tribo indígena e alguns pescadores, uma população simples e hospitaleira, que até hoje preservam a tradição de pescar com jangadas no mar. Alguns desses “hippies” fixaram-se no local, casando com os nativos e tendo filhos. Desse modo, é possível encontrar ali muitos descendentes de suíços, franceses e outros europeus. Canoa Quebrada voltou a ser cenário de um filme em 1997, com a produção de Bela Donna, por Bruno Barreto e direção de Fábio Barreto), tendo, a partir de então, se transformado em um dos principais destinos turísticos do Ceará.

Mais notícias